DC++ – O compartilhador que não precisa de você

E, muito provavelmente, você também não precisa dele. Leia o resto deste post »

Anúncios

Você já viu música?

Uma foto do meu techo preferido da “Clair De Lune”

Eu gosto muito² de música. Se não mexesse com computadores, seria músico. Ou psicólogo. Mas enfim, há certas músicas que mexem com a gente, ou como diriam, “nossa vida tem trilha sonora”. E uma dessas músicas que me toca é a “Clair de Lune”, de Claude Debussy. Leia o resto deste post »

Olha que gracinha!

Tão meiguinha…

Leia o resto deste post »


Relatos de Feira – Parte 5 de lim x com x tendendo ao infinito

(Ouvindo: Joe Satriani – A Cool New Way – Super Colossal – 2006) 

Farra e Forró

Dia de Finados. Um feriado mórbido, mas cuja véspera foi bem viva. Mais uma vez, o pessoal da sala marcou de ir fazer alguma coisa no fim da aula, e mais uma vez pouca gente foi. Bem, isso não interessou tanto, visto que se está cultivando uma certa fidelidade por parte de quem está participando dos “reggaes”, como chamam(os). Aliás, esse bairro para o qual fomos é famoso pelos “raggaes”. É curioso e óbvio: um bairro tipicamente estudantil, onde há muitas festinhas e bares. E não haveria de ser assim? E não haveria de ser justamente o contrário? Leia o resto deste post »


Projeto de Lei pretende acabar com o anonimato na internet

(Retirado do IDG Now!)

 

Brasília – Deputado Jefferson Campos (PTB-SP) propõe multa a provedores que não mantiverem dados atualizados dos usuários. Leia o resto deste post »


Será?

“Será”: resumo de todos os nossos medos, anseios e desejos. “Será?” exprime surpresa, encatamento, desgraça, vontade, alegria, tristeza. Diz tudo, menos dúvida. Quando dizemos “Será?”, não estamos em dúvida; aliás, temos certeza de que não sabemos o que vai acontecer, e ter certeza não é ter dúvida. Estamos supondo. Temos algo na cabeça e queremos pôr à prova. Ficamos excitados: “será?”. Ficamos vivos, sentimos que iremos sentir algo. Uma coisa nova à nossa espera. “Será?” é o que nos faz mais humanos, o que não nos faz descansar, que nos faz ir em frente em busca de respostas e mais interrogações. Sem “será?”, como ser?